Velas de Ignição

/, dicas/Velas de Ignição

Velas de Ignição

Se você é leigo quando diz respeito a mecânica, provavelmente não faz idéia do que seja a Vela de Ignição, porém, é graças a ela, que seu veículo é capaz de se locomover.

Isso porque o seu objetivo é basicamente fornecer a centelha, conhecida como faísca elétrica, que é responsável por dar a partida no motor.

Mas, é claro que somente em automóveis cujo motor é movido a combustão, e não aos elétricos.

Composição da vela

  • Vedador (metal macio);
  • Carcaça (metal bicromatizado);
  • Isolante (cerâmica);
  • Pino ou Terminal (metal)
  • Eletrodo Massa (liga de níquel);
  • Eletrodo Central (cobre com liga de níquel na extremidade).

Três sinais de desgaste da vela

  • Falhas na partida: isso acontece porque as centelhas geradas entre os eletrodos das velas provocam desgastes nos mesmos, causando arredondamento dos componentes. Isso causa a perda dos cantos vivos dos eletrodos e um aumento da folga entre eles, sendo necessário a elevação da tensão para que ocorra a faísca. Resultando, na dificuldade na hora da partida;
  • Baixo desempenho: a falha na ignição causada pela folga entre os eletrodos, provoca redução do desempenho do motor, além de aumentar a liberação de gases poluentes;
  • Consumo elevado de combustível: como conseqüência das velas desgastadas, uma parte da mistura de ar com combustível não é queimada de maneira eficiente, elevando o consumo do combustível.

Quando trocar as Velas de Ignição?

É recomendada a manutenção das velas de ignição a cada 10 mil quilômetros rodados, ou, conforme orientação da montadora para garantir o bom funcionamento do veículo.

A utilização da peça comprometida, além de prejudicar o funcionamento do automóvel, ainda é maléfico ao meio ambiente, uma vez que faz com que seja emitido gases poluentes.

Portanto, se identificou alguns dos sinais de desgaste das velas de ignição, procure o quanto antes uma mecânica, para a saúde do seu veículo e do meio ambiente!

2019-08-12T18:35:12+00:00agosto 12th, 2019|carro, dicas|